Catequese: Tomando consciência do que é A Iniciação à Vida Cristã e mergulhando nela.

 

De antemão é preciso saber que a catequese de inspiração catecumenal ela não é algo novo no seio da Igreja. Ela foi bem trabalhada nos três primeiros séculos do cristianismo. Depois por razões que neste momento não abordaremos foi ficado de lado.

Agora bem ela já havia sido recomendada para uma retomada da mesma pelo Concilio Vaticano II (SC. Nº 64). É importante ressaltar que tal retomada não significa necessariamente nos mesmos moldes. Pois, nossa época e pessoas vivem em contextos geográficos e socias bastante diferente de outrora. Claro que existem elementos que subsiste ao tempo e ao espaço. Mas, em outro momento adequando os explicitaremos de modo efetivo.

São muitos os cristãos que não sabem o valor da Eucaristia e não participam da mesma com uma certa regularidade e nem vivem uma vida sacramental, por isso é urgente aproximamo-nos deles para voltar a introduzi-los na vida de comunidade (DAP. Nº 286).

É urgente que nossas comunidades através do seu testemunho ponham as pessoas em contato com Jesus Cristo, ou não estaremos comprido com nossa missão evangelizadora (DAP. Nº 287). Para tanto devemos mergulhar no processo da Iniciação à Vida Cristã. Que inclui o Querigma, ou seja, por de manifesto e de modo explicito na vida das pessoas e de nossas comunidades quem é Jesus Cristo e seu projeto. Para a partir deste contato decidir se vale apena segui-lo.

A Iniciação à Vida Cristã nos possibilita afazer uma experiência da vida discipular. As comunidades que abraçarem este processo tem sua vida comunitária renovada e se despertam para o carácter missionário. Para tanto, implica na exigência e mudança na vida e atitudes por parte de seus agentes (Bispos, padres, pessoas consagradas e agente leigos (DAP. Nº 291).

Não é mais possível se pensar um processo de Iniciação à Vida Cristã desligado de um contato constante e orante com uma certa assiduidade com a Palavra de Deus e a prática sacramental de modo particular a confissão (DAP. Nº 292). Infelizmente em muitas comunidades se perdeu o sentido da prática penitencial.

Uma possibilidade que temos em nossa Prelazia de São Félix do Araguaia de uma maior proximidade com a Palavra de Deus seja participando da Escola de Formação Missionária que a mesma nos oferece. Pois sobretudo, no quesito da formação bíblica tem os melhores professores. Com isso não estou negando os demais temas abordados na mesma.

O nosso desafio hoje, no campo da evangelização e sobretudo, na catequese de inspiração catecumenal é formar nos catecúmenos e nos catequizandos uma identidade sólida que os possibilite dar razões da própria fé (DAP Nº 297). Nunca podemos perder de vista que a catequese tem por missão de: acompanhar, educar e formar na fé e para a fé e introduzir-nos a celebração do Mistério salvífico de Jesus Cristo (DC. Nº 55).

Este modelo de catequese de inspiração catecumenal tem uma proposta muito clara e bem desenvolvida em quatro etapas a saber: Pré-catecumento, Catecumenato, Purificação/Iluminação e Mistagogia. Estas etapas pretendo trabalha-las cada uma em outros artigos específicos para não ser muito longo e cansativo. Pois, o processo catequético requer que o façamos de modo alegre e atraente.

Pe. Jose Cleuto Rodrigues

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin